Novas tecnologias estão reinventando o setor imobiliário

Ferramentas permitem novas formas de consumir, morar e auxiliam incorporadoras e construtoras

O mercado de startups no Brasil segue em expansão na contramão da crise. Em um mundo cada vez mais high-tech, é evidente que novas tecnologias despontam como soluções eficientes em todos os mercados, do financeiro ao varejo, da mobilidade urbana à alimentação, hotelaria e construção civil. Para ter uma noção da dimensão da tecnologia, a Associação Brasileira de Startups estima que existam no país mais de seis mil startups registradas atuando com tecnologia.

No setor imobiliário, claro, não poderia ser diferente. De acordo com o Construtech Ventures – autoproclamado primeiro Venture Builder do mundo focado em Construtechs, no Brasil existem mais de 500 construtechs, startups dos segmentos de construção e do setor imobiliário. Conhecido por ser um mercado bastante burocrático e conservador, há incontáveis problemas a serem solucionados, e é neste ponto que surge a oportunidade de criar ferramentas nas mais diferentes áreas, oferecerendo novas formas de consumir, morar, construir e até mesmo de investir.

As pioneiras no Brasil emergiram para resolver problemas de compra, aluguel e venda de imóveis e se consolidaram como líderes no mercado. Entre elas destacam-se o Grupo Zap, KeyCash e Quinto Andar, esta última listada pelo New York Times como um dos 50 unicórnios do futuro, empresas com valor superior a 1 bilhão de dólares.

Para o negócio

As ferramentas surgem para aliviar os mais diferentes problemas que existem neste mercado, oferecendo soluções que podem atender o consumidor final como também os empresários e desenvolvedores do setor.

A Mega Soluções Corporativas, por exemplo, criou o chamado app Vimob, ferramenta mobile lançada ainda no mês de março, e que centraliza em um único local as mais diferentes informações sobre os empreendimentos, de modo a auxiliar os corretores de imóvel.

O aplicativo, que funciona online e off-line, possibilita apresentar o empreendimento, ver condições de pagamento, negociar, fazer uma proposta e até mesmo inserir os dados do cliente para uma proposta de compra. Isso dispensa as papelada, planilhas e até a necessidade de um computador durante a negociação. A ferramenta é comercializada diretamente com a incorporadora ou urbanizadora, sem custo para o corretor.

Aplicativo Vimob da Mega Sistemas Corporativos auxilia corretores centralizando em um único local informações sobre os empreendimentos

“É um produto que vem para facilitar a vida do corretor e da incorporadora, pois conseguimos resolver o problema em sempre ficar buscando informação. Com o Vimob, a incorporadora consegue entregar a informação de forma muito mais rápida e ágil para a ponta trabalhar. É um produto que busca simplificar o processo imobiliário, para que os corretores possam realmente investir em atividades cognitivas, entendendo o empreendimento, e não ficar digitando informação, planilhas, etc”, explica Lucas Freitas, diretor de produto da Mega Construção.

Enquanto o Vimob utiliza tecnologia mobile para facilitar o trabalho do corretor, garantindo agilidade e maior eficiência no fechamento do negócio, a startup Zero Distratos emprega inteligência artificial e big data para prever as chances estatísticas daquele comprador específico não conseguir arcar com a dívida decorrente da compra de um imóvel e vir a solicitar o cancelamento do contrato firmado. Dessa inteligência de dados surgem inúmeras ações que a empresa pode tomar para dirimir os riscos.

Moradia e segurança

Além de novas formas de consumir, startups também ditam novos conceitos de moradia. A Molegolar, startup pernambucana criada em 2016, inovou com a ideia de imóveis que acompanham os diferentes estágios da vida social dos proprietários. Como isso é possível? Os empreendimentos são montados a partir de módulos inteligentes, que possuem escrituras individuais e podem variar de 15 m² a 155 m². Com o passar do tempo, novos módulos podem ser adquiridos ou vendidos, dependendo do orçamento e necessidade do morador.

Saulo Suassuna CEO e fundador da Molegolar

Para Saulo Suassuna, CEO e fundador da Molegolar, “a chegada dos millenials ao mercado imobiliário colocou os produtos clássicos em check. O compartilhamento, o casamento tardio, o desejo de acesso ao invés de posse de um imóvel, a redução do número de filhos… Vem gerando novos produtos que estão dominando a cena dos lançamentos pelo país, com os apartamentos compactos, imóveis modulados que podem ser combinados para aumentar ou diminuir, se adaptando às necessidades dos moradores ao longo da vida, o coliving com áreas sociais e cozinhas compartilhadas, e coworking que vem ofuscando as salas comerciais”.

A segurança é outro ponto em que as empresas têm investido energia e mão de obra para desenvolver novos produtos. Uma das ferramentas é a Magikey, que faz com que os smartphones funcionem como uma espécie de chave virtual para abrir portas, portões e catracas.

Utilizada nos projetos da empresa de consultoria em segurança, a Eytan Magal, a ferramenta possibilita também o controle de acesso e monitoramento dos visitantes, assim como o horário de entrada e saída de funcionários dos escritórios. Tudo isso utilizando três componentes principais: os smartphones em que são instalados o Magikey, os dispositivos nas portas e um software na nuvem que contém o banco de dados.

A hotelaria é outro setor que tem aderido e investido em novas tecnologias como diferencial de mercado. No primeiro trimestre deste ano, o hotel Renaissance, em São Paulo, passou a funcionar via Mobile Key – ferramenta desenvolvida pela Assa Abloy que funciona como uma fechadura via smartphone, permitindo ao hóspede acessar o quarto sem precisar passar pela recepção.

Além do Renaissance, o Olimpia Park Resort (São Paulo) e Atlantic Hotel (Recife) também já passaram a usar o sistema desenvolvido pela Assa Abloy. Em breve, a tecnologia chegará a todos hotéis da rede Marriott no Brasil e também em empreendimentos residenciais, como é o caso do Edifício Time, localizado em Maceió.