É Lógico que a crise política impacta o mercado. A grande questão não é dimensionar o tamanho do estrago, mas como devemos agir, como líderes e profissionais, para não pararmos as nossas empresas e a indústria que mais movimenta a economia do País.

É sabido que temos hoje o melhor momento para a compra de imóveis dos últimos 10 anos, com grandes ofertas nos produtos de estoques verticais e horizontais. Da mesma forma, os novos projetos formatados em 2017 estão muito mais atrativos seja pela sua localização, preço ajustado e atributos que geram valor.

Sabemos que o ciclo de produção de um produto imobiliário é muito longo e que, depois de um grande período negativo iniciávamos uma pequena curva ascendente . Muito provável esta curva será mais lenta, mas é nossa função buscar uma agenda positiva para todos os projetos e produtos de nossas empresas.

Se cada empreendedor parar o seu ciclo de produção deixando de captar novas áreas para empreender, fazer pesquisas de mercado, contratar arquitetos , desenvolver projetos e contratar imobiliárias para vender seus produtos, certamente iremos levar ao mercado a imagem que não é hora de comprar e que não existem de fato produtos atrativos.

Não estou sugerindo agendas irresponsáveis acreditando que nada aconteceu, mas sim lembrarmos que neste momento a troca de ativos vulneráveis por ativos seguros é a melhor opção. O imóvel é a MOEDA FORTE, e produtos bem formatados e campanhas de estoque consistentes, vão levar ao consumidor a percepção de que é a melhor hora de comprar e, todos nós sabemos que de fato é!

A solução contrária seria parar tudo! Tirar o pé como gostamos de falar e pararmos todo o nosso ciclo de produção. Voltarmos a acreditar que o Brasil acabou, que voltaremos a crise do ano passado e que ninguém comprará imóveis por um bom tempo.

Vale neste cenário aquela famosa fábula do passarinho tentando apagar o incêndio na floresta lançando gotas de água e, quando perguntado pelos outros animais respondeu “Eu estou fazendo a minha parte”.

 

Por Paulo Cesar Sampaio de Toledo

Sócio Diretor da CIA Inteligência Imobiliária, tem 32 anos de mercado e já passou por cruzeiro, cruzado, congelamento do dinheiro, deságio, ORTN, OTN, inflação de 70% ao mês e dolarização do mercado imobiliário.